BNCC E A EDUCAÇÃO DA INFÂNCIA FORAM ASSUNTOS DO II SEMINÁRIO TÉCNICO, EM CAMPOS DO JORDÃO

Trazendo a Base Nacional Comum Curricular e a Educação da Infância e o tema “Caminhos possíveis para um currículo transformador”, a União dos Dirigentes Municipais de Educação do estado de São Paulo, Undime-SP, realizou de 12 a 14 de novembro, o II Seminário Técnico, no Orotour Garden Hotel, em Campos do Jordão. O evento, que foi dedicado inteiramente à BNCC da Educação Infantil, teve o propósito de orientar e subsidiar os municípios na importante tarefa de implementação e formação ao longo de 2019.

Em sua segunda edição, o seminário também objetivou a criação de maior proximidade entre os Dirigentes Municipais de Educação, assessores e técnicos, além de permitir a troca de saberes e experiências, assessorando os mais de 320 educadores participantes em suas demandas diárias, proporcionando debates e reflexões essenciais neste momento de definições quanto aos currículos e transformações necessárias nas redes municipais para implementação da BNCC.

Para o Prof. Dr. luiz Miguel Martins Garcia, presidente da Undime São Paulo e Dirigente de Educação de Sud Mennucci, o semiário técnico foi realizado para promover “uma discussão monotemática com profundidade, com diversidade de pensares e abertura ao contraditório. Para isso os participantes atuaram em regime de imersão em um ambiente acolhedor e instigante, com o objetivo de provocar inquietudes, reflexões, empoderamento técnico e coragem para repensar e, quando necessário, quebrar paradigmas em suas redes de ensino e ambiente de origem”, disse o professor, que completou sobre a formação de professores: “eu entendo a formação de professores como o centro de nossos trabalhos em 2019 pelo fato de que será ela que universalizará o conhecimento do currículo e de como, a partir dele, garantiremos aos alunos o direito de aprender o que está previsto na BNCC e desenvolver-se enquanto estudante e cidadão. O professor precisa construir junto com seus alunos aulas encantadoras em que ensine e aprenda na mesma proporção e no mesmo exercício de humildade e desejo de expansão do seu saber e de todos que estão à sua volta”, completou.

O evento comtemplou a realização de palestras, debates, oficinas, mostras de boas práticas, oficinas lúdicas, colóquios e plantões de atendimento com especialistas em currículo e BNCC.

Ao longo de todo evento, assuntos como: Caminhos Possíveis para a Implementação de um Currículo Transformador; As Infâncias que temos e como a BNCC pode ser uma via de transformação da Educação; Educação Infantil de Qualidade: Como promover?; Educação Integral e Integração com a Comunidade: como fazer acontecer na escola?; A Educação Infantil de qualidade que temos a oportunidade de construir; As 10 competências da BNCC na Educação Infantil, entre outros, foram os destaques da eventualidade, que podem ser acompanhados nas fotos e demais materiais disponibilizados no link: http://www.undime-sp.org.br/2seminariotecnico/

Cristiana Berthoud e Andrei Muzel, organizadores do seminário, falam que não há receitas mas, sim, caminhos possíveis para um currículo transformador. “Caminhos possíveis fazem parte, na verdade, de tudo aquilo que assumimos em nossas Secretarias no dia a dia. Mas, agora, é chegado o momento de repensar essa gestão pedagógica que fazemos. Com a BNCC, temos que deixar claro não só o que queremos para a infância, mas também como organizamos isso cotidianamente na gestão”, ressaltaram.

O seminário teve a participação da Vice-Presidente da seccional, Márcia Bernardes, DME de Atibaia-SP; da Secretária de Articulação, DME de Tremembé-SP e Presidente da Comissão Organizadora do evento, Cristiana Berthoud, do Secretário de Assuntos Jurídicos e DME de Porto Feliz-SP, Celso Fernando Iversen, da DME de Campos do Jordão-SP, Marta Maria Esteves, além de outros dirigentes de mais de 90 municípios paulistas.

Parceiros institucionais e patrocinadores da Undime São Paulo, como: Moderna, FTD Educação, Editora do Brasil, Editora Positivo, Foccus, Planetta Educação, Pearson, Crescer e Somos Educação, apresentaram produtos e soluções educacionais, além da realização de colóquios e conversas informais sobre a BNCC da Educação Infantil: Direitos de Aprendizagem.

Neste ano, o seminário contou, ainda, com sarau, intervalo brincante, colóquios espontâneos, intervalo cultural, a participação da trupe Novos Atores, grupo teatral de Pindamonhangaba, que recepcionou os convidados, além de Rafinha Acústico, que animou os presentes nas confraternizações de segunda e terça-feira.

SOBRE A BNCC, POR LUIZ MIGUEL GARCIA:

No dia 20 de dezembro de 2017 o MEC homologou e entregou ao país a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) da Educação Infantil e do Ensino Fundamental, atendendo ao que previa: o artigo 210 da Constituição Federal de 1988, a LDB, às Diretrizes Curriculares Nacionais e o Plano Nacional de Educação (PNE). Mais importante que cumprir
EDUCAÇÃO INFANTIL: é preciso acordar cedo!toda essa base e expectativa legal a construção da BNCC passou por diversas etapas e várias delas com a possibilidade de participação da comunidade escolar e da sociedade em geral, como na consulta pública que contou com mais de 12 milhões de contribuições em todo o país.

A BNCC resultou de um trabalho em Regime de Colaboração União-Estados-Municípios (no qual a Undime representou legalmente as redes municipais) que foi de 2014 a 2017, foi aprovada e regulamentada pela Resolução CNE/CP 02/17 em 15 de dezembro e homologada pelo MEC 5 dias depois. Com isso o Brasil passou a ter, pela primeira vez, “uma BNCC que explicita os direitos de aprendizagens essenciais para a Educação Infantil e Ensino Fundamental”. (MEC, 2018).

É fundamental destacar o conceito central da BNCC: a Educação Integral do aluno. A educação praticada na integralidade do conhecimento, garantindo condições plenas de para o exercício de seus direitos de aprendizagem, desenvolvimento e vida em sociedade. Trata-se de uma educação libertadora e não bancária, nas palavras de Paulo Freire. No caso da Educação Infantil que se estimule todos os campos de experiências em atividades integradas ao cotidiano da criança em sua perspectiva presente e possível e/ou desejável no futuro.